domingo, outubro 26, 2008

Patriarca explica «mistério da Igreja»

D. José Policarpo lembra exigência de unidade na «variedade de expressões que constituem a riqueza» eclesial

D. José Policarpo presidiu este Sábado, em Lisboa, à celebração eucarística por ocasião da Dedicação da Sé Patriarcal. O Cardeal convidou os católicos “a assumirem a universalidade da missão”, lembrando a exigência de anunciar a fé, “dando origem a outras Igrejas locais”.

“Cada Igreja deve anunciar a fé, dando origem a outras Igrejas locais. Nesta grande missão participam todos os cristãos, homens e mulheres. O intercâmbio frequente entre as Igrejas, mostra que elas são Igrejas em comunhão, na fé e na caridade, grande desafio para a universalidade da Igreja e da salvação”, apontou.
Numa homilia dedicada a São Paulo, nos 2000 anos do seu nascimento, e ao “mistério da Igreja”, o Patriarca de Lisboa destacou a importância de não esquecer “a unidade, sempre a construir, na imensa variedade de expressões que constituem a riqueza da Igreja”.

D. José Policarpo alertou para a “relativização” da centralidade da Igreja Particular, em contraponto a uma “pertença e o serviço à Igreja Universal, como se esta tivesse prioridade sobre aquela ou a Diocese fosse apenas uma parte de um todo global”. “É preciso redescobrir que é na Igreja Particular que se vive a totalidade, incluindo a beleza e as exigências da universalidade”, apontou.

Noutro ponto da sua homilia, D. José Policarpo sublinhou que “a Catedral lembra-nos que a Igreja é um Povo alimentado pela Palavra, que suscita e fortalece a fé”. “Deixar de escutar a Palavra é separar-se da fonte, correr o risco de estiolar na secura das vozes do mundo. Circunstâncias especiais, como a celebração de um Sínodo sobre a Palavra de Deus na vida e na missão da Igreja, e o Ano Paulino, desafiam a nossa Igreja de Lisboa a fortalecer a sua fé, escutando a Palavra de Deus, sua fonte e contínuo alimento”, indicou.

D. José Policarpo disse ainda que “a Igreja é Cristo ressuscitado em acção transformadora e, portanto, salvífica”. “Cristo é a plenitude da Igreja, porque o ressuscitado é a fonte inesgotável da vida. Mas a Igreja também é, por seu lado, plenitude de Jesus Cristo”, precisou.

Esta Igreja é “missionária por exigência do seu mistério, o mesmo de Jesus Cristo, e é sempre o Bispo que, em nome da Igreja, envia os que partem em missão, expressão principal da partilha de dons”.


Homilia na íntegra

sexta-feira, outubro 24, 2008

Sínodo apresenta Mensagem final



Bispos defendem presença da Bíblia nas famílias, nas escolas e no mundo da cultura

A Mensagem final da XII assembleia-geral ordinária do Sínodo dos Bispos, a decorrer no Vaticano, foi tornada pública esta Sexta-feira. Os delegados dos episcopados católicos de todo o mundo defendem a presença da Bíblia nas famílias, nas escolas e no mundo da cultura, utilizando também a "comunicação informática, televisiva e virtual".

O texto, divulgado pela página oficial do Sínodo, divide-se em quatro capítulos (A voz da Palavra: a Revelação; o rosto da Palavra: Jesus Cristo; a casa da Palavra: a Igreja; as estradas da Palavra: a missão) e 15 pontos.
"A Bíblia deve entrar nas famílias, para que os pais e os filhos a leiam, rezem com ela e esta seja para elas uma luz para os passos no caminho da existência", pode ler-se.
Os Bispos reunidos no Vaticano destacam que "as Sagradas Escrituras devem entrar também nas escolas e nos âmbitos culturais, porque foram durante séculos a referência capital da arte, da literatura, da música, do pensamento e da própria ética comum". "A sua riqueza simbólica, poética e narrativa torna-a uma bandeira da beleza, seja para a fé seja para a própria cultura, num mundo muitas vezes desfigurado pela brutalidade e as porquidões".

A Mensagem sinodal é dirigida a todos os católicos, em particular aos "pastores", aos "muitos e generosos catequistas" e a quantos orientam a Igreja "na escuta e na leitura amorosa da Bíblia". Os padres sinodais consideram que o texto bíblico "apresenta também o sopro de dor que sai da terra, vai ao encontro dos oprimidos e do lamento dos infelizes", por ter no seu cume "a cruz onde Cristo, só e abandonado, vive a tragédia do sofrimento mais atroz e da morte".

Os fiéis são convidados a "guardar a Bíblia" nas suas casas, para que "leiam, aprofundem e compreendam plenamente as suas páginas", transformando-as em "oração e testemunho de vida" e deixando espaços de "silêncio" neste processo. Para evitar o "fundamentalismo", refere o texto, "cada leitor das Sagradas Escrituras, mesmo o mais simples, deve ter um conhecimento proporcional do texto sagrado, recordando que a Palavra de revestiu de palavras concretas", para "ser audível e compreensível para a humanidade".

Olhar ecuménico

A mensagem recorda os "irmãos e irmãs das outras Igrejas e comunidades cristãs" que caminham nas mesmas "estradas do mundo" e que apesar das separações visíveis "vivem uma unidade real, ainda que não plena, através da veneração e do amor pela Palavra de Deus". Neste contexto, o Sínodo lembra os "homens e mulheres de outras religiões que escutam e praticam fielmente os ditames dos seus livros sagrados e que, connosco, podem edificar um mundo de paz e de luz, porque Deus quer que «todos os homens sejam salvos e cheguem ao conhecimento da verdade»".

O presidente da Comissão para a Mensagem, Arcebispo Gianfranco Ravasi, considera que o texto é de "largo fôlego, com um certo pathos, para fazer com que não seja só um documento teológico".

Estrutura

A mensagem recorre a quatro "pontos cardeais", que correspondem aos seus capítulos. Em primeiro lugar, "a voz divina" que "ressoa desde as origens da criação", e entra depois "na história ferida pelo pecado e sacudida pela dor da morte".
Em segundo lugar surge "o rosto", ou seja, Jesus Cristo, que "torna perfeito o nosso encontro com a Palavra de Deus" e revela o "sentido pleno e unitário das Sagradas Escrituras". Seguidamente, "a casa da Palavra Divina", a Igreja, que se ergue sobre quatro colunas: o ensino, a fracção do pão, a oração e a comunhão fraterna.
O último ponto refere-se à "estrada pela qual caminha a Palavra de Deus". "A Palavra de Deus deve percorrer as estadas do mundo", incluindo "a comunicação informática, televisiva e virtual", apontam os Bispos. "Esta nova comunicação adoptou, em relação à tradicional, uma gramática expressiva específica, pelo que é necessário estar bem munidos, não só tecnicamente, mas também culturalmente para esta tarefa", diz a Mensagem final do Sínodo.